Durante uma semana, beiradeiros e remeiros de todo o Baixo São Francisco renderam homenagens ao seu protetor. Os tributos iniciaram na Igreja de Santa Cruz, Centro de Penedo, na última terça-feira, 03 e encerraram na noite deste domingo, 08, com uma missa campal presidida pelo Bispo Diocesano de Penedo, Dom Valério Breda, concelebrada por todos os padres da cidade.

O ponto alto das celebrações ocorreu no segundo domingo de 2017, em um dia totalmente dedicado ao protetor de todos que margeiam e sobrevivem do Rio da Unidade Nacional. Pontualmente às 06h, ao toque de Ângelus, com o soar do sino e aos fogos, a primeira missa do dia, sendo celebrada pelo padre Jackson Nascimento, clérigo da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário.

A festa religiosa no domingo atrai milhares de devotos, que passam o dia em Penedo, participando de toda a programação que acontece em sua igreja. A agricultora aposentada Maria de Fátima dos Santos, 65 anos, residente no povoado Coroa dos Patos, desde criança acompanha as celebrações. Porém, este ano, o pedido de bênçãos foi para o Rio São Francisco, que sofre com a falta de chuvas e o assoreamento.

“Durante muitos anos eu agradecia as graças alcançadas e pedia proteção aos meus familiares. Porém, neste ano, diante da agonia do nosso Velho Chico, meus pedidos são unicamente para ele, que é a nossa maior riqueza. O Rio São Francisco ainda hoje nos alimenta, nos sustenta e mata a nossa sede. Meu Bom Jesus olha pelo rio e nos traga de volta a abundância de suas águas”, pediu emocionada.

Aumento da Vazão

Diante da agonia do São Francisco, com mais uma redução da sua vazão, agora para 700 m3/s e o crescente assoreamento, a Prefeitura de Penedo temendo a não realização da procissão fluvial, solicitou à Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) o aumento da sua vazão, a jusante de Xingó. Durante 24h, a vazão subiu para 1.600 m3/s. Assim, o cortejo pelas águas fluiu normalmente, passando pelas cidades de Santana do São Francisco e Neópolis, no estado de Sergipe. Na edição 132º/2016 da festa religiosa, o trajeto fluvial ficou apenas em Penedo.

Para o prefeito Marcius Beltrão, essa é maior manifestação religiosa de Alagoas, e tudo que for necessário para que ela ocorra em sua normalidade, será feito pelo poder público. “Diante da degradação que o Velho Chico vem passando, por precaução, solicitamos a Chesf o aumento da vazão. O Ano Novo em Penedo começa sendo abençoado pelo Bom Jesus dos Navegantes e tudo que for necessário para a realização da sua procissão terrestre e fluvial, o faremos”, garantiu o prefeito. E encerrou: “Essa foi uma das edições religiosas mais belas de todos os tempos. Parabéns aos que contribuíram com a sua realização, tanto da Igreja, quanto do Município”.

A 133ª festa em homenagem ao Glorioso Bom Jesus dos Navegantes de Penedo, santo protetor dos beiradeiros e remeiros, encerrou por volta das 22h, com a apresentação da Banda Rosa de Saron, no Campo do Sinimbú.